terça-feira, 3 de setembro de 2013

Coronel Leolino Xavier Cotrim

Leolino Xavier Cotrim nasceu em Caitité em 28 de Janeiro de 1834, descendente dos Cotrim e dos Brito Gondim, famílias importantes dos primórdios da colonização do Alto Sertão da Bahia, era filho de Manuel Xavier de Carvalho Cotrim e de Joaquina Calmon de Brito Gondim.
Na Bahia atuava como agricultor, pecuarista e mineirador, foi proprietário da fazenda Pedra da Lagoa e chegou a desviar o curso do Rio Brumado para apanhar diamantes no leito seco. Também levava Ametistas, pedras semi-preciosas, para Salvador, onde eram vendidas a mercadores alemães, ao preço de quatrocentos mil reis a arroba. Tinha o título de Coronel da Guarda Nacional.

Casou-se em 09 de Julho de 1855 com Ludgeria Pereira da Costa, nascida em Caitité em 26 de Março de 1837. Ludgeria era morena, baixa, com cabelos pretos lisos e olhos negros, provavelmente com parte de sangue índio. Era filha do Capitão Manoel Pereira da Costa e Emiliana Ribeiro da Costa, também proprietários de terras no sertão da Bahia, o pai de Manoel, Jerônimo Pereira da Costa foi rendeiro* do sitio São Pedro, no sertão do Rio Pardo na Bahia. Leolino e Ludgeria tiveram 13 filhos. Entre eles a minha trisavó, Diolinda Cotrim, mãe da minha bizavó Arlinda Spínola de Castro, mãe do meu avô materno, Wagner de Oliveira Guimarães.

Em 1877 Leolino resolveu mudar-se com a família para o interior de São Paulo. O início de uma nova seca, como a que arrasou a região entre 1857 e 1861, provocou pânico e grande despovoação do sertão nordestino neste ano. Além disso a mineração já havia enfraquecido e chegavam notícias sobre as oportunidades com o café no interior de São Paulo.

Já com a fazenda comprada em São Carlos, partiu de Caitité no dia 07 de Fevereiro de 1878, chegando em São Paulo em 10 de Abril do mesmo ano, para a Fazenda Conceição, nova residência da família a poucos quilômetros da cidade, em uma região chamada de Babilônia. Leolino veio para São Paulo já com boa fortuna da Bahia e pouco depois da chegada trocou de fazenda, indo para a região de Ribeirão Preto, próximo ao então povoado de Pitangueiras, onde comprou de Joaquim Moço** a Fazenda Santa Vitória, que depois foi ampliada por novas aquisições, chegando a ter 2.000 alqueires.

Na Santa Vitória Leolino e seus filhos chegaram a plantar um milhão de pés de café. A sede era relativamente luxuosa para a época, com 12 cômodos e grandes varandas, tinha água encanada, luz elétrica com o uso de um gerador movido por uma roda hidráulica e telefone ligando a fazenda à cidade de Pitangueiras, esses recursos eram avançados para a década de 1910 e mesmo muitas cidades não os possuíam. A fazenda ainda tinha muitos terreiros, sendo um ladrilhado para secar café lavado em tanque, uma máquina de beneficiar café, uma grande tulha ***, uma serraria (que tinha até serra inglesa), moinho para fubá de milho e olaria para produção de tijolos e telhas. Além do café havia criação de gado, com cerca de 300 cabeças.

Nesta época começam a chegar os primeiros colonos italianos, que foram construindo casas e formando colônias dentro da fazenda. Neste mesmo período foi construída a Estrada de Ferro São Paulo-Goiás, que atravessou as terras de Leolino, tendo dentro delas uma estação onde era feito o carregamento do café.

Em 1912, já com 78 anos ele fez uma viagem pela Europa, na companhia de uma das filhas, América, e do genro, João Pedro Antunes, visitou quase todos os países em 6 meses de viagem, conta-se que gostava de mostrar os postais do velho mundo aos amigos e visitantes na fazenda.

Leolino faleceu em 18 de Agosto de 1924, aos 90 anos na fazenda Santa Vitória, seu nome ficou gravado na história de Pitangueiras, sendo considerado um dos fundadores da cidade, alguns de seus filhos ocupariam cargos importantes, como Juiz, Vereador e até Prefeito Municipal****. Uma das principais ruas da cidade leva o nome de Leolino.


***

Leolino Xavier Cotrim


* A príncipio o Rendeiro era quem cultivava a terra e pagava uma taxa, geralmente “um quinto” (20%) ao proprietário. No entanto, como no século XVIII não havia posse definitiva da terra, já que elas pertenciam ao Rei e eram cedidas temporariamente para serem cultivadas, era impossível a venda formal de terras. Por isso muitas vezes o sistema de rendeiros era usado para este fim, ou seja, para mascarar o que de fato era a venda. Tanto é que após anos de uso muitos destes rendeiros reclamaram e ganharam a posse das terras que cultivavam.

** O fim de Joaquim Moço foi trágico, apesar dos 40 contos de réis pagos pela fazenda (um bom dinheiro para a época) o povo dizia que o negócio foi ruim, pois as terras valiam bem mais. Joaquim então resolveu desfazer o negócio e convidou Leolino para um jantar em sua casa. Leolino não apareceu e Joaquim que teria preparado a espingarda para intimidar o comprador, acabou se matando em seu quarto. Ninguém sabe se esta já era a intenção dele, se ele iria matar ou só intimidar Leolino ou iria matá-lo e depois se matar.

*** Tulha é um depósito para guardar cereais e alimentos, no caso o café.

**** João Batista Cotrim, filho de Leolino foi Juiz de Pitangueiras e Major da Guarda Nacional, ele casou com  Orminda Guimarães Cotrim, filha do Major Urbino (meu trizavô). Ela empresta até hoje o nome a uma escola pública da cidade.


Fontes:



Posseiros, Rendeiros e Proprietários – Erivaldo Fagundes Neves

Nenhum comentário:

Postar um comentário